quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Ame a Realidade


 Byron Kathleen Reid entrou em profunda depressão ao redor dos 30 anos. Por mais de dez anos sua depressão só piorou e nos últimos dois anos, Katie (como ela é chamada), praticamente não saiu da sua cama, pensando obsessivamente em suicídio. Foi quando numa manhã, tendo chegado ao auge do desespero, ela teve uma experiência que mudou totalmente a sua vida.
Katie percebeu que quando ela acreditava que alguma coisa tinha que ser diferente do que era na realidade (“Meu marido devia me amar mais”, “Meus filhos deviam me apreciar mais”…) ela sofria, e que quando ela não acreditava nesses pensamentos, ela sentia-se completamente em paz. 
Ela se deu conta de que o que causava o seu sofrimento e depressão não era o mundo ao seu redor, mas o que ela acreditava sobre o mundo ao seu redor. Num momento de insight. Katie viu que nossas tentativas de encontrar felicidade estavam na contra-mão. Ao invés de inutilmente tentar mudar o mundo para adequá-lo aos nossos pensamentos de como “deveriam” ser as coisas, podemos questionar esses pensamentos e, enxergando a realidade como ela é, experimentar total liberdade e alegria. Katie desenvolveu um método de questionamento simples, mas extremamente eficaz, chamado O Trabalho, que tornou essa transformação praticável. Como resultado, uma mulher deprimida, com idéias suicidas e sem nenhuma esperança se tornou uma pessoa cheia de amor por tudo o que a vida lhe proporciona.

O que É, É!
 
O único momento em que nós sofremos é quando acreditamos em um
pensamento que briga com o que é. Quando a mente está perfeitamente clara,o que nós queremos é o que é. Se você quer que a realidade seja diferente do que é, você tem, também, que tentar ensinar um gato a latir. Você pode tentar, tentar e no fim o gato vai olhar para você e dizer: Miau! Querer que a realidade seja diferente do que é, é inútil. E ainda, se você prestar atenção, você vai notar que tem pensamentos assim dezenas de vezes por dia. "As pessoas deveriam ser mais gentis", "as crianças deveriam se comportar bem", "meu marido (ou minha esposa) deveria concordar comigo", "eu deveria ser mais magro ou mais bonito ou ter mais sucesso)". Estes pensamentos são maneiras de querer que a realidade seja diferente do que é. Se você pensa que isso parece depressivo, você está certo. Todo esse estresse que nós sentimos é causado por brigar com o que é.
Pessoas novas em O Trabalho, com freqüência dizem para mim: Mas
seria enfraquecedor parar de brigar com a realidade. Se eu simplesmente
aceitar a realidade, vou me tornar passivo(a). Eu talvez até perca o desejo de agir. Eu respondo à eles(as) com uma questão: Você pode realmente saber que isso é verdade? O que é mais fortalecedor? "Eu desejaria não ter
perdido meu emprego" ou "Eu perdi meu emprego; o que posso fazer
agora?"
O Trabalho revela que, o que você pensa que não deveria ter acontecido,
deveria ter acontecido. Isso deveria ter acontecido porque aonteceu e não há pensamento no mundo que possa mudar isso. Isso não quer dizer que você concorde ou aprove isso. Isso só significa que você vê as coisas sem resistência e sem a confusão da sua luta interior. Ninguém quer que seus filhos fiquem doentes, ninguém quer estar em um acidente de carro; mas quando essas coisas acontecem, como pode ser útil brigar mentalmente com elas? Nós sabemos que não é o melhor, mas ainda assim, fazemos isso porque não sabemos como fazer para parar.
    Eu sou uma amante do que é, não porque eu sou uma pessoa espiritual,
mas porque me machuca quando eu brigo com a realidade. Nós podemos
saber que a realidade é boa exatamente como ela é, porque se nós brigamos
com ela, nós experimentamos tensão e frustração. Nós não nos sentimos
naturais e em equilíbrio. Quando nós paramos de nos opor à realidade, as ações se tornam simples, fluidas, gentis e sem medo.
 
Se você quiser explorar o assunto mais profundamente, sugerimos ler o livro escrito por Katie: "Ame a Realidade".
Ele vai levar você a aprofundar-se em O Trabalho e inclui inúmeros exemplos de Katie facilitando outras pessoas em assuntos como medo, saúde, relacionamentos, dinheiro, o corpo e muito mais. 

Para saber mais: www.thework.com/portugues/

 

Um comentário:

A sabedoria dos filmes

Não espere o amor acontecer