terça-feira, 28 de junho de 2011


Microcosmo
      Cheguei a pensar em certa época da minha vida que o homem era o vírus do planeta Terra e que, ao longo da batalha, um dia ele acabaria por destruir sua própria casa. Um vírus que se prolifera muito rapidamente - já somos mais de 7 bilhões de seres - investindo contra as nascentes dos rios, arrasando as florestas, destruindo os ecossistemas, poluindo o ar e despejando lixo nos oceanos. Que vida pode ter esse homem que só se preocupa com a parte econômica?
       O ser humano é imediatista e, como não gosta de si, odeia tudo que está ao seu redor, menos o dinheiro, que acha ser a única finalidade da vida. Insensível com sua natureza interna e incoerente em suas atitudes, entrega-se ao desequilíbrio. Quem agride a natureza não está em equilíbrio, é um agressor. Por isso defendo a idéia de começarmos a promover uma limpeza interna, praticando uma ecologia interior, cultivando bons pensamentos. Quando comecei a usar meu método, há mais de quarenta anos, ainda não existia praticamente o termo ecologia. Mas eu já dizia ser impossível limpar o mundo sem limpar a cabeça, porque o mundo é um eco do que se passa conosco.
       Essa ecologia interior é fundamental, porque, se você não faz uma reciclagem adequada, se o seu organismo trabalha em débito, se está apenas na sobrevivência, se não está inteiro dentro da vida, se pensa coisas ruins, você tem uma péssima alimentação mental e isso produz uma sujeira incrível. Além do lixo que come, das frituras e gorduras, pior ainda é o lixo com que alimenta sua cabeça, ou seja, o que você pensa. Lembre-se sempre que você é o que você pensa.
      Nós temos internamente um ecossistema maravilhoso. O homem é um só. Não pense que sua cabeça não tem nada a ver com o seu espírito. Ninguém pode ter espírito lúcido e uma cabeça que não pensa. Ou uma cabeça imunda e um lado emocional equilibrado. O que acontece no corpo tem efeito sobre a mente; o que acontece na mente tem efeito sobre o espírito. Se alguém só pensa coisas ruins, não pode resultar uma pessoa boa.
       A respiração, o pulmão, o coração, a lucidez mental, os hormônios, o bem-estar, o corpo todo, enfim, é um ecossistema perfeito. É essa interação magnífica que leva o homem a atingir a saúde. E à saúde plena é uma pessoa alegre. Mas se a pessoa só pensa porcaria, sente ódio e rancor, não é saudável. Ela desestruturou o seu ecossistema. É como se ela sujasse uma nascente.
       O pensamento é a nascente da nossa natureza humana. Quem polui a cabeça com pensamentos péssimos está quebrando uma cadeia do seu ecossistema, não pode ser mais uma pessoa feliz e saudável. Vai virar um rio Tietê. É chocante dizer, mas quando o ser humano começar a pensar coisas boas e bonitas, começar a se cuidar, tirando o lixo que existe dentro dele, até o rio Tietê real vai ficar limpinho, magnífico, com peixes e tudo. Mas, enquanto isso não acontece, como é que o homem vai cuidar do Tietê, se não foi capaz de cuidar de si? O lixo que ele joga no rio é o mesmo lixo que vaza de seu poluído mundo interno. Seus pensamentos negativos produzem um lixo tóxico que, por intermédio dos hormônios, o envenena terrivelmente. É aquele indivíduo que, de repente, sai por aí dando murro e tiro no trânsito, babando de ódio.
       Nós deveríamos procurar ser mais sábios, sentir menos raiva dos outros, livrar-nos do ódio. Para o nosso próprio bem, pensando em causa própria. Para evitar o auto-envenenamento. E, por isso que ser bom é muito bom. Quando você está de bem com a vida e em paz com as pessoas, está produzindo bons fluidos e atingindo uma atitude mental e espiritual mais elevada. Isso vai trazer ótimas conseqüências para você. Nada nem ninguém poderá atingi-Io de nenhuma forma se você estiver em conexão com sua fonte secreta.

A Semente da Vitória, de Nuno Cobra


Nenhum comentário:

Postar um comentário

A sabedoria dos filmes

Não espere o amor acontecer