terça-feira, 17 de maio de 2011

Lamentar é perda de tempo



      Lamentar, a maior perda de tempo do mundo
A lamentação surge quando resistimos à realidade da forma como ela se apresenta no presente ou quando não aceitamos algo que passou. Por exemplo: estamos em um engarrafamento e surgem vários pensamentos de irritação, raiva e impaciência. É a resistência à realidade da forma como ela se apresenta. Não faz o engarrafamento se acabar, e traz sentimento de infelicidade. É totalmente inútil.
É o desejo de que algo fosse diferente, só que não é. A realidade está ali e nos sentimos frustrados, impotentes e irritados.
Outros exemplos: alguém marca um compromisso e não aparece. Você compra um eletrodoméstico e chega em casa ele está quebrado. Você sai de casa e quando chega ao destino percebe que esqueceu uma coisa importante que deveria ter levado. Você perdeu dinheiro em uma aplicação financeira. O carro quebrou e surgiu um gasto inesperado. O pneu do carro está furado. A faxineira não veio. Faltou água. A energia acabou. O despertador não tocou. Fizemos um esforço enorme pra concretizar algo e acabou não dando certo. O computador deu pau.  O filho fez uma mal criação. Você está há meia hora no telefone falando com várias atendentes da sua operadora de celular e nada está se resolvendo. Aliás, você liga pra tentar falar com uma atendente e só consegue falar com a máquina. O prato do restaurante veio errado. Você pediu pra vir sem cebola, só que veio com bastante cebola. São inúmeras as situações que nos causam sofrimento porque resistimos a elas quando elas se apresentam.
Qualquer que seja a realidade que se apresenta, quando resistimos a ela, nós sofremos. Se aceitarmos aquela realidade da forma como ela se apresenta o sofrimento desaparece. Se aceitarmos “profunda e completamente”, nos sentiremos em paz.
É claro que é fácil falar e difícil de fazer. Quando eu falo de aceitação da realidade, isso não quer dizer que vamos nos tornar uma pessoa passiva. Você deve continuar tendo o desejo de ter uma situação melhor e tomando ações para conseguir uma vida melhor, mas sem que isso lhe traga sofrimento com a sua realidade atual. Você deseja que o engarrafamento acabe, é apenas uma preferência, e não uma necessidade que causa raiva e descontentamento.
Existe uma diferença entre preferir e necessitar. Entender essa diferença pode aliviar o sofrimento e ajudar na aceitação da realidade. Para não sofrer nessas situações temos somente duas opções. Ou mudamos imediatamente (ex: sair da fila do banco e ir fazer outra coisa para depois retornar em outro momento de fila menor) ou então, caso não seja possível mudar naquele momento, aceitamos incondicionalmente o que está ocorrendo.
A não aceitação da realidade é uma das causas de maior sofrimento no ser humano. Observe também que sofremos quando vemos algo na televisão: uma notícia ruim, seja uma tragédia, corrupção, injustiça, pelo fato de resistirmos a realidade, ao que é. Pelo desejo de que não tivesse acontecido, que fosse diferente, mas não é. Repito, isso não quer dizer que vamos ser passivos e que nunca vamos tomar atitudes. Mas podemos fazer isso nos sentindo em paz.
A lamentação do passado também segue o mesmo princípio. Como seria bom que meus pais tivessem sido de tal forma. Ah, se eu não tivesse perdido aquela oportunidade. Fulano me roubou. Tal episódio que passei foi uma injustiça... remoemos o passado, desejando que tivesse sido diferente. Resistimos à realidade do que foi e assim sofremos.
Tenho uma cliente em tratamento que trouxe uma queixa enorme pra sessão. Uma coisa que estava causando profunda angustia e infelicidade a cada instante: seu apartamento é muito pequeno. Fica a duas quadras do shopping. Mas é muito pequeno. Tem vista para o mar. Mas no quarto não cabe uma poltrona. Dá pra ir andando até a praia. Mas o que importa é que o apartamento é pequeno. A área valoriza acima da média a cada ano. Mas o que importa isso se o apartamento é pequeno?
Lamuriar causa depressão, ou alimenta a depressão. Então, pare de se lamuriar e viva mais feliz!

Por André Lima em www.eftbr.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A sabedoria dos filmes

Não espere o amor acontecer