sexta-feira, 20 de maio de 2011

SUCHNESS




Amado Osho,
Há uma palavra que freqüentemente me tem tocado muito profundamente. Só me lembrar dela de vez em quando, parece poder curar feridas, e traz tranqüilidade e contentamento. Essa palavra é suchness. Você poderia falar sobre suchness?
        

Esta é uma das palavras mais significativas de todas as línguas. Ela surgiu com Gautama, o Buda. A língua que Buda usava era o Páli. Ela está morta; não é mais uma língua viva. Mas algumas de suas palavras eram tão importantes, que permaneceram vivas em outras línguas.
         A palavra do Páli correspondente a suchness... – porque suchness é apenas uma tradução desta palavra; em Inglês nunca houve ninguém que tenha usado esta palavra ou experienciado o sabor desta palavra. A palavra do Páli é ‘tathata’.  E, devido à palavra ‘tathata’, um dos nomes de Gautama, o Buda, é Tathagata. Ele foi o primeiro a usar essa palavra e a lhe dar tanto significado e profundidade.
          A palavra inglesa suchness traduz perfeitamente a palavra páli ‘tathata’. Se você compreender seu significado... apenas a simples compreensão da palavra, certamente lhe trará uma grande cura, um grande silêncio, grande paz. Mas tente compreender a partir de Gautama, o Buda, porque ele é a fonte original desse significado.
           (...)
           A abordagem de Buda era esta: “O que quer que aconteça, permita que aconteça, e aceite com a totalidade do seu coração. É assim que a existência quer que seja. Permaneça nessa atitude de suchness... tal é o desejo do todo, e eu sou parte do todo; não posso ir contra o desejo do todo.”.
          Certamente, se você compreender isso, você terá um tremendo insight e isso será de muita ajuda nas suas meditações.  Essa compreensão lhe ajudará a não resistir à existência, a não lutar contra a corrente, mas a fluir com a corrente. Permita que o rio lhe conduza ao oceano.
          Sadhan, você está certo quando diz: “Há uma palavra que freqüentemente me tem tocado muito profundamente. Só me lembrar dela de vez em quando, parece poder curar feridas, e traz tranqüilidade e contentamento. Essa palavra é suchness.”.

           Tente, em momentos de perturbação, em momentos de dor, em momentos de sofrimento. Nas noites mais escuras de sua vida, tente: “Tal é a vontade da existência, e eu sou parte dela. Vou me relaxar com ela. Se esta é a vontade do todo, assim será.”.
          (...)
          Assim, lembre-se – não como uma palavra, mas como um sentimento – suchness. Então, não haverá nenhum ressentimento, nenhuma lamentação, nenhum desejo de que as coisas sejam diferentes do que são. Surge uma tremenda aceitação. Essa aceitação é a real e autêntica religiosidade.
 OSHO, The Razor’s Edge, # 9

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A sabedoria dos filmes

Não espere o amor acontecer